Enauta busca sonda para Atlanta

Fonte: Brasil Energia

 

Por: Cláudia Siqueira

 

Nova campanha contemplará um poço para o sistema antecipado de produção

 

A Enauta irá afretar uma sonda para o campo de Atlanta, na Bacia de Santos, com entrada em operação prevista para 2022. A petroleira lançará no início de setembro licitação para contratar uma unidade para 1,5 mil m de lâmina d’água para perfurar o quarto poço do sistema antecipado de produção, dando continuidade à consulta ao mercado iniciada há cerca de mês.

 

A informação sobre o novo processo de contratação foi confirmada por Carlos Mastrangelo, diretor de Produção da Enauta. As empresas terão que entregar proposta no início de outubro.

 

A campanha de perfuração da petroleira terá início no terceiro trimestre de 2022. A meta da Enauta é interligar o novo poço ao FPSO Petrojarl I no último trimestre do próximo ano.

 

A expectativa é de a atividade consuma cerca de 55 dias. Como a campanha é pequena, o mais provável é que a empresa vencedora oferte uma unidade disponível no Brasil.

 

A perfuração do quarto poço do sistema antecipado de produção de Atlanta visa aumentar a produção total de óleo, com uma menor produção de água. O novo poço substituirá um dos poços produtores em operação hoje no campo.

 

Atualmente, o sistema antecipado de Atlanta opera com três poços. A Enauta ainda não definiu qual poço será substituído. A equipe técnica vem examinando a melhor solução para o projeto, sendo que o martelo só será batido em meados de 2022, antes do início da campanha de perfuração.

 

A atual capacidade de processamento de água do FPSO Petrojarl I é de 5,9 mil barris/dia. A planta será ampliada para 8 mil barris/dia no final deste ano e 20 mil em 2022.

 

Até o momento, a Enauta não tem data fechada para a contratação da sonda que ficará responsável pela campanha de perfuração dos poços do sistema definitivo de Atlanta, programado para entrar em operação em meados de 2024.

 

O sistema de produção definitiva de Atlanta terá de seis e oito poços, dos quais parte será remanejada do projeto atual. Recentemente, a Enauta pré-qualificou a Yinson como preferencial bider para o processo de conversão do FPSO OSX-2, que será utilizado no projeto.

 

A empresa de FPSO irá apresentar proposta firme comercial e técnica para o projeto em outubro. Capacitado com planta de produção de 100 mil barris/dia de óleo, o FPSO terá que ser adaptado para 50 mil barris/dia, tendo em vista um óleo mais pesado de 14º API.

 

Segundo apurado, a Yinson trabalha com três cenários de estaleiros distintos para a realização da obra no OSX-2, todos localizados no exterior. O contrato do FPSO definitivo de Atlanta terá prazo de afretamento de 15 anos, com possibilidade de prorrogação por mais tempo a depender dos resultados da produção.