FPSO Atlanta irá operar sob a classe ABS

Fonte: Offshore Energy

 

Por: Melisa Cavcic

 

 

A ABS informou em comunicado que o FPSO Atlanta, contratado pela Enauta para a Yinson realizar a conversão e a operação no Campo de Atlanta, será operado na classe ABS.

 

Matt Tremblay , vice-presidente da ABS Global Offshore, comentou: “Este é um ativo significativo e complexo capaz de operar em águas ultraprofundas offshore no Brasil. Por meio de nosso foco em segurança e inovação, podemos continuar demonstrando nossa liderança no Brasil, onde mais de 60% de todos os FPSOs em serviço são classificados como ABS.

 

“Isso não se deve apenas à nossa liderança de longa data na classificação offshore, mas ao nosso profundo conhecimento do ambiente regulatório brasileiro e à experiência para apoiar os clientes na obtenção da conformidade regulatória.”

 

De acordo com a ABS, este FPSO, que atualmente está sendo convertido no Dubai Drydocks World , incluindo atualizações estruturais, reforma e aprimoramento de equipamentos, terá capacidade de produção de 50.000 BOPD, 12,4 MMscfd de gás e capacidade de armazenamento de 1.800.000 bbl.

 

Anteriormente conhecido como OSX-2 , o navio foi convertido em 2013 na classe ABS para operar no campo de Waimea no Brasil, mas nunca entrou em operação.

 

Conforme noticiado anteriormente, a Enauta celebrou em janeiro de 2022 um contrato de compra do FPSO OSX-2 para o Sistema Definitivo (DS) do Campo de Atlanta, sendo esse acordo de compra fechado em fevereiro.

 

Além disso, a empresa firmou um contrato firme com a Yinson da Malásia para a conversão de uma unidade de produção existente para o FPSO a ser usado para o Full Development System (FDS) de Atlanta – aprovado em fevereiro de 2022 – nos mesmos termos especificados na Carta de Intenção (LoI) a partir de dezembro de 2021 .

 

Com reservas estimadas em 106 MMbbl, o Campo de Atlanta , operado pela Enauta, está localizado no bloco BS-4 na Bacia de Santos , em lâmina d’água de 1.500 metros.